H

H
150 anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal (1867-2017)

22 de fevereiro de 2011

Confusão de parentescos

A confusão de parentescos de que falei no 6.º 6 (e de que o Pedro me lembrou na última aula)

Passo a citar o texto sobre Augusto Carlos Eugénio Napoleão e Beauharnais, Duque e Príncipe de Leuchtenberg e Santa Cruz, que nasceu em Munique, a 9 de Dezembro de 1810, «filho do general Eugénio de Beauharnais (o enteado de Napoleão Bonaparte e seu Vice-Rei de Itália), neto, pela parte paterna, da Imperatriz Josefina, a primeira mulher de Napoleão, e pela parte materna de Maximiliano I da Baviera. Era irmão de D. Amélia, a segunda mulher de D. Pedro IV, e primo direito do futuro Napoleão III. Cumprindo o desejo do cunhado, D. Augusto casou com a rainha D. Maria II (enteada da sua irmã) (...). Por uma daquelas coincidências que as consaguinidades reais do tempo favoreciam, quer a avó de D. Augusto, quer a tia de D. Maria, tinham sido casadas com o Imperador Napoleão – o que significa dizer que o filho do enteado de Napoleão casou com a filha da cunhada de Napoleão!»
José Miguel Sardica, D. Maria II - A última rainha, in História, n.º 55, Abril 2003

Confusos?
Vocês confundem-se com uma facilidade!

Sem comentários:

Enviar um comentário