H

H

5 de novembro de 2019

Turma 6.º F - Apoio à Ficha de Trabalho n.º 4/1

Apoio ao trabalho da Ficha n.º 4/1 da turma do 6.º F.

Pesquisa para:
- perguntas 3 a 7: Encontram informação aqui.

- pergunta 12: Encontram o nome dos Presidentes da República no manual ou aqui - procura o índice e clica em Terceira República (1974-presente).

Encontram o nome dos Chefes do Governo (Primeiro-Ministro) aqui - procura o índice e clica em Terceira República (1974-presente).

Bom trabalho!


1 de novembro de 2019

Ficha de avaliação - Turmas 5.º E e 5.º F

Aproxima-se a primeira ficha de avaliação:
5.º E - 7 de novembro (5.ª feira)
5.º F - 11 de novembro (2.ª feira)

Os alunos podem encontrar aqui o Guião de Estudo.
O Guião pretende ser uma ajuda de orientação do estudo.

Se os alunos imprimirem as páginas do documento, têm um pequeno quadrado antes de cada objetivo. Nesses quadrados os alunos podem ir assinalando os conhecimentos que já dominam.

Bom estudo!

Qualquer dúvida pode ser esclarecida na aula ou, não havendo oportunidade, através do mail carloscarrasco9@gmail.com


20 de outubro de 2019

As cerimónias do discurso da rainha no Parlamento Inglês

Nas aulas do 6.º E e do 6.º G andamos a falar da monarquia absoluta e da ostentação do luxo da corte.

A cerimónia oficial de abertura do Parlamento Inglês, no passado dia 14, com o discurso da rainha Elisabete II, faz recordar o cerimonial da monarquia em épocas mais antigas da nossa história.
Não significa que a monarquia inglesa seja uma monarquia absoluta - é perfeitamente possível a existência de regimes monárquicos democráticos (na Europa há vários).








9 de outubro de 2019

Resultados eleitorais - Eleições legislativas 2019

Para as aulas de Cidadania do 6.º F.

 Freguesia de Amora
 Concelho do Seixal
 Distrito de Setúbal
Portugal


20 de setembro de 2019

500 anos da viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães

A 20 de setembro de 1519, Fernão de Magalhães, ao comando de uma armada de cinco navios, partiu de Sanlúcar de Barrameda, na foz do rio Guadalquivir, em direção às ilhas Molucas.


Numa época de enorme rivalidade - mas sem confronto armado - entre Portugal e Espanha, Fernão de Magalhães, despeitado pela falta de reconhecimento por parte de D. Manuel I, oferece os seus serviços ao rei de Espanha, propondo-lhe a realização daquela que ficará na História como a mais fantástica (ou uma das mais fantásticas) viagens de descobrimento. 


Os objetivos da viagem eram:
- chegar às ilhas Molucas, no Oriente, navegando através de uma rota por ocidente;
- provar que aquelas ilhas, ricas em especiarias, ficavam no hemisfério espanhol, de acordo com a divisão do mundo feita no Tratado de Tordesilhas (1494), entre Portugal e Espanha.

Mas a viagem tornou-se mais conhecida porque resultou na primeira circum-navegação da Terra (1519-1522)


Fernão de Magalhães já não a pôde concluir, pois foi morto nas Filipinas (1521). Esse mérito acabou por ser de Sebastião del Cano. 

Venha connosco, para seguir a celebração do 500.º aniversário da viagem de circum-navegação.


16 de setembro de 2019

8 de setembro de 2019

Fontes Pereira de Melo - 2.º centenário

Há 200 anos – 8 de setembro de 1819 – nasceu Fontes Pereira de Melo. 



No período da Regeneração, destacou-se como Ministro das Obras Públicas (1852-56) – impulsionou a construção de inúmeras estradas e a construção dos primeiros troços ferroviários. À sua governação está também associada a primeira linha telegráfica montada em Portugal (ligando o Terreiro do Paço, as Cortes – Palácio de S. Bento -, o Palácio das Necessidades e Sintra) e a modernização dos serviços postais.

Já no reinado de D. Luís, chefiou quatro governos, na qualidade de Presidente do Conselho de Ministros do Reino, entre 1871 e 1886.


20 de julho de 2019

Há 50 anos o Homem chegou à Lua

A 20 de julho de 1969 o Homem chegava à Lua.


Este acontecimento histórico encerrou um percurso sonhado há séculos e iniciado ainda no primeiro quartel do século XX.



Uma cronologia da corrida do Homem à Lua:

1915 – Nos Estados Unidos foi fundado o National Advisory Committee for Aeronauticas (NACA), antecessor da NASA.

1924 – Foi fundada na URSS a Sociedade para o Estudo das Viagens Interplanetárias.

1927 – Foi fundada na Alemanha a Sociedade para as Viagens Espaciais.

1942 – A Alemanha nazi lançou os primeiros mísseis V-2, que espalharam a destruição na Grã-Bretanha, durante a II Guerra Mundial.
Os V-2 foram os antecessores de todos os foguetes posteriores, incluindo o Saturno V, utilizado no Projecto Apollo.

1946 – Os militares dos EUA lançaram do Novo México um foguete que subiu a mais de 100 Km de altitude.

1947 – Os americanos lançaram um V-2 contendo moscas da fruta (os primeiros seres vivos no espaço) e sementes de cereais. Subiu 90 Km.

1957 – A URSS lançou o primeiro míssil balístico intercontinental, com capacidade para percorrer 6 mil Km.
No mesmo ano, a URSS lançou o Sputnik 1, o primeiro satélite artificial, inaugurando a Era Espacial, e o Sputnik 2, levando a bordo a cadela Laika. 


1958 – Os Estados Unidos lançaram o seu primeiro satélite, o Explorer 1, transportando instrumentos científicos. Descobriu as cinturas de radiação que envolvem a Terra.
Os Estados Unidos criam a NASA (National Aeronautics and Space Administration).

1959 – Os soviéticos lançaram a Luna 1 (janeiro), a Luna 2 (setembro) e a Luna 3 (Outubro).
A primeira não conseguiu atingir a Lua, mas esta nave foi a primeira a orbitar o Sol.
A segunda nave atingiu a Lua – foi o primeiro objecto feito pelo Homem a alcançar o nosso satélite natural.
Luna 3 descreveu uma órbita lunar e fotografou a face oculta da Lua, enviando para a Terra imagens nunca antes vistas. 

Mapa assinalando os lugares de alunagem das várias naves,
americanas e soviéticas, tripuladas ou não (1959-1972) 

Durante toda a década de 1960, e a um ritmo cada vez mais intenso, americanos e soviéticos concorreram no número de voos e nos seus objectivos. 

1960 – Os americanos lançaram o Tiros 1, o primeiro satélite meteorológico.

1961 (12 de abril) – O soviético Iuri Gagarine, na Vostok 1, descreveu uma órbita à Terra em 108 minutos, a uma altitude média superior a 200 Km, tornando-se o primeiro ser humano a viajar no espaço.
(5 de maio) – Alan Shepard foi o primeiro americano a viajar no espaço, na cápsula Mercury, durante 15 minutos.
(6 de agosto) – Gherman Titov, na Vostok 2, bateu o recorde de permanência no espaço (25h e 18m).

1962 – John Glenn foi o primeiro americano a fazer um voo orbital, dando 3 voltas à Terra em 4h e 55m.

1963 – A soviética Valentina Tereshkova foi a primeira mulher a viajar no espaço, completando 45 órbitas à Terra (70h e 50m). 



1964 – A URSS lançaram a Voskhod 1, primeira nave com vários tripulantes.

1965 – O soviético Alexei Leonov, na Voskhod 2, deu o primeiro “passeio” no espaço (12 minutos fora da nave durante o voo de 26 horas).
A nave norte-americana Mariner 4 aproximou-se de Marte e enviou as primeiras fotos de proximidade deste planeta.

1966 – Duas naves não tripuladas – a soviética Luna 9 (fevereiro) e a norte-americana Surveyor 1 (junho) – alunaram suavemente.

1967 – A nave soviética Venera 4 aproximou-se de Vénus e libertou uma sonda na sua atmosfera, para recolher dados sobre a sua composição.

1968 – Foi lançada a primeira nave não tripulada que orbitou a Lua e regressou à Terra, a soviética Zond 5.
Primeiro voo tripulado do projeto Apollo (Apollo 7).

1969 – A missão americana Apollo 11, tripulada pelos astronautas Neil Armstrong, Edwin “Buzz” Aldrin e Michael Collins, partiu de Cabo Canaveral, no dia 16 de julho, transportando o módulo Eagle, no qual os dois primeiros astronautas alunaram no dia 20.


O primeiro homem a pisar a Lua foi Neil Armstrong, seguido de Edwin “Buzz” Aldrin. 



O voo durou 195h e 18m e o tempo passado na Lua pelos dois astronautas foi de 21h 38m. Durante este período, Michael Collins descreveu 31 órbitas lunares, aguardando que o Eagle, com os seus dois colegas se lhe reunisse de novo. 


Nos anos imediatos seguiram-se mais 6 missões Apollo (uma delas falhada – Apollo 13), o que permitiu que astronautas norte-americanos pisassem solo lunar mais 5 vezes. 

A missão Apollo 17, realizada em dezembro de 1972, foi a última missão tripulada do projeto Apollo à Lua.


14 de julho de 2019

230 anos da Tomada da Bastilha


Celebram-se hoje 230 anos sobre a data do episódio da Tomada da Bastilha.
Estava lançada a Revolução Francesa.


11 de julho de 2019

Roma antiga


Assim seria a cidade de Roma na época do Imperador Constantino (272 - 337), quando alcançou o seu maior tamanho na antiguidade.


Trata-se de uma maqueta em gesso, montada (ou cuja montagem foi orientada) por um arqueólogo italiano (Italo Gismondi) e que demorou 36 anos a ser feita.

Coliseu
Numa escala 1:250, a maqueta tem cerca de 16 metros de comprimento e, pela sua precisão, é uma das referências mais importantes de Roma Antiga.

Templo
Está em exposição na cidade de Roma, no Museu da Civilização Romana.


23 de junho de 2019

Exposição do Mundo Português


A 23 de Junho de 1940 ocorreu a inauguração da Exposição do Mundo Português, a maior exposição realizada no país até então.

Salazar pretendia celebrar o "Duplo Centenário da Fundação e da Restauração da Nacionalidade" e tornou pública essa intenção através de uma nota oficiosa, a 27 de Março de 1938.
Subentendida estava a celebração do Estado Novo. Portugal afirmava-se como um "oásis de paz e de progresso", quando o mundo vivia a II Guerra Mundial.
A Exposição do Mundo Português culminava a campanha de propaganda do regime fundado em 1933, que contrastava com a decadente I República.

Para a concretização dessa tarefa, Salazar voltou a chamar um homem que dispensara do Governo em 1936: Duarte Pacheco. Era quem "mais garantias dava de cumprir com sucesso o calendário, optimizar os custos e realizar o programa das obras necessárias na cidade, muito para lá do que seria o recinto da Exposição."

O plano de urbanização de Lisboa incluía "o arranjo das Praças dos Jerónimos e de Afonso de Albuquerque, a valorização da Avenida Marginal e o embelezamento da Torre de Belém".
A zona de Belém passaria a ser dotada de infraestruturas necessárias para responder ao aumento da população e do turismo, que iriam prevalecer mesmo após a realização da Exposição.


A equipa que liderou o projecto contava com o diplomata e jornalista Augusto de Castro, comissário da Exposição, o engenheiro Sá e Melo, comissário adjunto, e Cottinelli Telmo, arquitecto-chefe.
A Exposição foi posta de pé em apenas 15 meses e ocupou uma área de 450 mil m2.


Alguns pavilhões secundários só seriam inaugurados mais tarde, conforme foram sendo concluídos.
A Nau Portugal, que deveria ser uma das grandes atracções da Exposição, só chegou à doca de Belém a 7 de Setembro. Motivo: a nau da carreira da Índia, recriada com todos os pormenores decorativos - que incluiu acções patrimonialmente muito discutíveis, como o "desvio" de talhas douradas de várias igrejas - adornou quando lançada à água, em Aveiro (fora construída nos estaleiros da Gafanha da Nazaré).




22 de junho de 2019

Final da Taça de Portugal 1969 - manifestação contra o regime

22 de Junho de 1969: final da Taça de Portugal da época de 1968-1969, no Estádio Nacional.
Benfica - Académica.

Poucas semanas antes, os estudantes da Universidade de Coimbra, numa Assembleia Magna, tinham decidido fazer greve aos exames.
No primeiro dia de exames, a 2 de Junho, a GNR a cavalo cercou a Universidade de Coimbra. Houve, na cidade, a presença da chamada "Polícia de Choque", para além da PSP, PIDE e Polícia Judiciária. O ambiente foi de guerra urbana, com jipes com arame farpado à frente.
Os confrontos entre estudantes e forças policiais sucederam-se em alguns dos dias posteriores.

O jogo entre a Académica (Associação Académica de Coimbra - AAC -, equipa com fortes ligações à universidade e aos estudantes) e o Benfica transformou-se em palco de um comício contra o regime do Estado Novo.

O Ministro da Educação Nacional, José Hermano Saraiva, avisara Marcelo Caetano que se preparavam manifestações para o Estádio Nacional.
Previa-se a possibilidade da equipa da Académica apresentar algum sinal de luto ou, mesmo, a de não comparecer ao jogo. No caso da primeira hipótese, o Ministro aconselhava a que não houvesse acções de repressão "porque qualquer intervenção repercutiria em todo o público". Caso a equipa se recusasse a jogar, propôs que se reservasse uma outra equipa (a do Sporting, que a Académica eliminara nas meias-finais), "para que os espectadores não tenham excessiva razão de protesto."

A RTP, ao contrário do que já acontecia na época, não transmitiu o jogo, sob o pretexto de que a Federação Portuguesa de Futebol pedira muito dinheiro para essa transmissão.
Ao contrário da tradição, o Presidente da República não assistiu ao jogo.

Os jogadores da Académica entraram no relvado com as capas aos ombros, em sinal de luto, e num passo lento.
Apesar de toda a vigilância policial, nas bancadas, estudantes distribuíram comunicados da Associação. No intervalo, foram mostradas faixas com palavras de ordem.




O Benfica ganhou o jogo no prolongamento, com um golo marcado por Eusébio.
Não se concretizou a forma de celebração que os estudantes tinham pensado... em caso de vitória.


7 de junho de 2019

Tordesilhas - o tratado foi assinado há 525 anos



Na localidade espanhola de Tordesilhas, no dia 7 de junho de 1494, Portugal e Espanha assinaram o tratado em que dividiam entre si o mundo: o conhecido... mas, também, o desconhecido.

Era uma forma de procurar evitar os conflitos entre os dois reinos por motivo da expansão marítima. Portugal ia com décadas de experiência na realização de viagens marítimas em descoberta de novas terras ou de novos caminhos para terras que se sabia existirem "do outro lado do mundo", como a Índia.

Em Portugal, reinava D. João II.

Tordesilhas, Casas do Tratado
(onde o tratado foi assinado)

Representação da assinatura do Tratado