H

H
Zona ribeirinha da Amora

20 de setembro de 2016

A viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães


A 20 de setembro de 1519, Fernão de Magalhães partiu de Sanlúcar de Barrameda (junto à foz do rio Guadalquivir) para efetuar a primeira viagem de circum-navegação - uma viagem à volta da Terra.



Esta autêntica aventura foi feita ao serviço do rei de Espanha, Carlos V, pois Fernão de Magalhães não estaria nas boas graças de D. Manuel I.

Fernão de Magalhães capitaneava 5 navios e uma tripulação de 250 homens, constituída, sobretudo, por portugueses e espanhóis. Os pilotos eram portugueses, pois eram os únicos que tinham experiência nas travessias do Atlântico sul.



A expedição foi muito conturbada, com revoltas na tripulação e falta de alimentos.
Foi descoberta a passagem do oceano Atlântico para o Pacífico ao sul da América e essa passagem tem, nos dias de hoje, o nome do seu descobridor - Estreito de Magalhães.

No arquipélago das Filipinas, Fernão de Magalhães envolveu-se num conflito entre tribos e foi morto.
A viagem foi concluída sob a chefia de Juan Sebastián Elcano, chegando este navegador a Sevilha (ou a Sanlúcar de Barrameda) no dia 6 de setembro de 1522 (3 anos após a partida).
Regressaram, num único navio, a nau Vitória, apenas 18 homens dos que partiram e alguém lhes chamou "cadáveres-vivos", tal era o seu estado.



19 de setembro de 2016

Descoberta uma Torá com cerca de 400 anos

Na primeira aula do 6.º C, quando falávamos de "narrativas verdadeiras" e de documentos históricos, houve uma questão posta pelo Marco que me fez falar deste achado.

Um construtor civil encontrou, há 10 anos, um pergaminho com 30 metros de comprimento e 60 centímetros de largura, durante a demolição de uma casa na Covilhã. 
Enrolou o pergaminho num lençol e teve-o guardado em casa, até que, há 6 meses, o mostrou a arqueólogos. 
Ficou a saber que tinha guardado uma Torá, o texto fundamental do Judaísmo (comparável à Bíblia, para os Cristãos), já com cerca de 400 anos.


A Torá apresenta-se na forma de um rolo de pergaminho manuscrito, que se enrola de um lado para o outro à medida que se faz a leitura. 



A Torá está agora exposta nos Paços do Concelho da cidade da Covilhã e, depois, ficará guardada no Arquivo Municipal da Covilhã, com climatização e controlo da humidade, e será objeto de mais estudos.

Prometi ao Marco - e à turma - colocar aqui esta informação. Foi hoje, dia em que o Marco faz anos.
Parabéns e felicidades!


16 de setembro de 2016

Bom ano letivo


Desejamos um feliz ano letivo a todos os alunos com quem iremos trabalhar este ano, aos nossos ex-alunos e àqueles que (mesmo sendo anónimos) passem por aqui.


Esperamos que o blogue vos possa ser útil.


24 de agosto de 2016

A revolução liberal - 24 de agosto de 1820

Em 1818, na cidade do Porto, o juiz Manuel Fernandes Tomás fundou uma sociedade secreta chamada Sinédrio com o objetivo de preparar uma revolução que instalasse uma monarquia constitucional em Portugal.
O Sinédrio conseguiu a adesão de chefes militares portuenses ao seu projeto revolucionário.

Na madrugada de 24 de agosto de 1820 iniciou-se a revolução, com uma concentração de tropas no campo de Santo Ovídio, junto ao quartel.
Foi disparada uma salva de artilharia, a anunciar publicamente o levantamento militar. Às oito horas da manhã, os revolucionários reuniram-se na Câmara Municipal do Porto e aí constituíram a Junta Provisional do Governo Supremo do Reino, redigindo um “Manifesto aos Portugueses”, no qual davam a conhecer os objetivos do movimento. As suas principais reivindicações eram a convocação de Cortes para a redação de uma Constituição e o imediato retorno da família real do Brasil, para onde tinham fugido das invasões francesas.

O movimento teve um apoio generalizado e a regência britânica, em Lisboa, foi deposta, vindo a ser constituído um governo provisório.

Cerimónia comemorativa do levantamento militar de 24 de agosto de 1820.
Ao fundo, o quartel de onde saíram as tropas que iniciaram a revolução liberal,
na cidade do Porto (fotografia de cerca de 1900)
Fachada do mesmo quartel, na atualidade.
O Campo de Santo Ovídio transformou-se na atual Praça da República
Praça da República (Porto)


14 de agosto de 2016

Batalha de Aljubarrota

14 de agosto de 1385 - Batalha de Aljubarrota

Em abril de 1385, D. João, Mestre de Avis fora escolhido para rei de Portugal nas Cortes de Coimbra.

D. João I de Castela, para conseguir o objetivo de ser rei de Portugal, invadiu novamente Portugal com um numeroso exército de 40.000 homens.

O exército português, constituído por 7.000 homens de armas, aproximadamente, posicionou-se no terreno escolhido e preparado pelo condestável, D. Nuno Álvares Pereira - o planalto de S. Jorge.
A estratégia usada - o novo sistema táctico inventado pelos ingleses (aliados dos portugueses) - levou à vitória sobre o exército castelhano e dos seus aliados franceses.


As baixas castelhanas foram muito maiores, de tal forma que Castela permaneceu de luto por um período de dois anos.

Para Portugal, a vitória em Aljubarrota significou a sua independência face ao poderoso vizinho.


6 de agosto de 2016

Ponte 25 de abril foi inaugurada há 50 anos

Comemoram-se, hoje, 50 anos da inauguração da ponte sobre o Tejo.



O primeiro projeto de construção de uma ponte entre Lisboa e a margem sul surgiu em 1876, e dizia respeito a uma ponte ferroviária, que previa a ligação da capital ao Montijo.
A partir dessa data houve muitos outros projetos, mas só em 1953 foi criada uma comissão "com o objetivo de estudar e apresentar soluções para a construção de uma ponte entre Lisboa e a margem sul do Tejo".
Já havia, então, conhecimento técnico para a construção de uma ponte suspensa (ponte sustentada por cabos, portanto, com maior distância entre os pilares para não perturbar o movimento dos barcos no rio). 
Por outro lado, a população da margem sul estava a aumentar, os transportes rodoviários desenvolviam-se e era cada vez mais necessária uma ligação fácil e rápida do sul do país a Lisboa.

Em 1959 foi aberto um concurso público internacional para apresentação de projetos. Venceu a proposta da empresa norte-americana United States Steel Export Company.
A construção da ponte que liga Lisboa e Almada começou a 5 de novembro de 1962 para ficar concluída no início de agosto de 1966.






Ponte Salazar foi o nome dado, em homenagem ao chefe do Governo que tinha decidido a sua construção.
Depois do golpe militar de 25 de abril de 1974, que pôs fim ao regime ditatorial do Estado Novo, o nome da ponte foi alterado para ponte 25 de Abril.

Aqui um vídeo da RTP sobre a inauguração da ponte.

A indicação de 45 anos no título do vídeo deve-se ao facto deste ter sido feito em 2011.

Capa do Diário de Notícias do dia 7 de agosto de 1966


30 de julho de 2016

Iluminação pública - a iluminação a gás em Lisboa

No dia 30 de julho de 1848, foi inaugurado em Lisboa o sistema de iluminação pública a gás.
Foram acesos, no Chiado, 26 candeeiros pertencentes à Companhia Lisbonense d’Iluminação a Gaz.

Até 1780, à noite, por falta de iluminação pública, “a cidade dormia nas trevas e os habitantes apenas saíam em grupos, armados e com archotes acesos".
A partir desta data houve esforços para a existência de um sistema de iluminação pública, começando a funcionar um conjunto de 770 lampiões a azeite.
As negociações para a utilização do gás na iluminação pública começaram em 1835.


O "homem do gás", que acendia os candeeiros

A primeira experiência de iluminação elétrica ocorreria em 1878.
Só estamos a falar de Lisboa. O resto do país continuava... às escuras.


23 de julho de 2016

40 anos da Constituição de 1976 - Programa da Rádio Gama

Programa feito com os alunos do Clube de Jornalismo da Escola Paulo da Gama.




O I Governo Constitucional tomou posse há 40 anos

Há 40 anos tomava posse o primeiro Governo Constitucional após o 25 de abril de 1974.

A aprovação da Constituição foi em 2 de abril de 1976.
No dia 25 do mesmo mês, dois anos depois da revolução dos cravos, houve as primeiras eleições para a Assembleia da República.
O PS (Partido Socialista), com 35% dos votos e 107 deputados eleitos, venceu as eleições, embora sem maioria absoluta.
Como consequência desse resultado, foi formado um Governo mono-partidário (isto é, com base num só partido - o PS).
No dia 23 de Julho de 1976 aconteceu a tomada de posse desse Governo, onde Mário Soares, o líder do PS, desempenhou o cargo de 1.º Ministro.

Tomada de posse do I Governo Constitucional
(23 de julho de 1976)

O Governo só durou até ao dia 23 de janeiro de 1978.


28 de maio de 2016

28 de maio - 90 anos

A revista Visão História deste mês assinala o 90.º aniversário do golpe militar de 28 de maio de 1926. É o início de um período de 48 anos de ditadura.


Com a ditadura militar surgiria a figura de António Oliveira Salazar (na capa, entre militares).


27 de maio de 2016

5.º C - Ficha de Avaliação

O 5.º C encontra aqui os objetivos da próxima ficha de avaliação.

Recordo que irão interpretar /ou utilizar informações contidas:
- em documentos escritos - excertos das crónicas de Fernão Lopes;
- numa cronologia como esta;
- numa árvore genealógica semelhante a esta.

Bom estudo.


22 de maio de 2016

Ficha de Trabalho para o 5.º C

Atenção aos alunos do 5.º C que ainda não entregaram a ficha.
Não esquecer!

Ficha de trabalho a realizar até 4.ª feira.