H

H
A Adoração dos Pastores - Pintura atribuída a Bento Coelho da Silveira (Lisboa, 1617(?) - 1708), um dos mais conceituados pintores portugueses da sua época. Foi nomeado pintor régio por D. Pedro II, em 1678.

14 de abril de 2013

As reais personagens da crise de 1383-1385 - infante D. João

O infante D. João nasceu em 1352 e era filho de D. Pedro I e de D. Inês de Castro.
Depois da declaração de D. Pedro, em 1360, de que casara com D. Inês de Castro, passou a ser reconhecido como infante.
Recebeu a doação de muitos bens por parte de seu pai. Esteve ao lado de D. Fernando I nas duas primeiras guerras contra Castela.
Depois de ter sido perdoado pelo assassinato da mulher, uma irmã de D. Leonor Teles, teria chegado a ser pensado para marido de D. Beatriz. Talvez porque essa hipótese começou a não lhe parecer possível abandonou a corte e acolheu-se a Castela. Os seus bens em Portugal foram confiscados e passou a servir o rei D. João I. Por esse  motivo, na guerra de 1381-82 esteve do lado de Castela contra D. Fernando.
Quando D. Fernando I morreu, D. João I de Castela, pensando que o infante podia ser um candidato ao trono de Portugal e, portanto, seu rival, prendeu-o.
Tendo a situação evoluído de maneira diferente, o infante D. João foi solto e acabaria por casar com uma meia-irmã do rei de Castela, recebendo novas doações deste. Morreu em 1397.


Sem comentários:

Enviar um comentário