H

H
A imagem faz parte de um livro publicado no ano de 1647, por J. Blaeu (um importante cartógrafo holandês), em que está desenhado um conjunto de mapas do nordeste brasileiro, então ocupado pelos holandeses, decorados com cenas da vida quotidiana. A cena que apresentamos representa uma fazenda brasileira produtora de açúcar, na zona de Pernambuco.

24 de outubro de 2011

Palácio de Belém

Quando do terramoto de 1 de Novembro de 1755, a família real encontrava-se em Belém, tendo escapado ao acidente.
Receando outro sismo, a família real instalou-se, então, em tendas nos terrenos do palácio que D. João V comprara e alterara – o Palácio de Belém.

Palácio de Belém, atual residência oficial dos Presidentes da República 

O rei D. José, que, assustado com o terramoto, nunca mais quis viver num edifício de pedra, sairia de Belém para ir habitar o Real Paço de Nossa Senhora da Ajuda, edifício, construído em madeira para melhor resistir a abalos sísmicos. Este edifício ficou conhecido por Paço de Madeira ou Real Barraca. Em 1794, no reinado de D. Maria I, um incêndio destruiu esta habitação real e grande parte do seu valioso recheio.
O príncipe D. João mandou, então, construir o Palácio da Ajuda.

O Palácio de Belém foi ainda habitado por D. Maria II num período em que o Palácio das Necessidades esteva em obras. A partir do reinado de D. Luís I, o Palácio de Belém foi destinado a receber os convidados oficiais que visitavam Lisboa.
Após o casamento de D. Carlos e D. Amélia e enquanto D. Luís governou, o palácio serviu-lhes de residência oficial.

Sem comentários:

Enviar um comentário