H

H
A Adoração dos Pastores - Pintura atribuída a Bento Coelho da Silveira (Lisboa, 1617(?) - 1708), um dos mais conceituados pintores portugueses da sua época. Foi nomeado pintor régio por D. Pedro II, em 1678.

23 de abril de 2017

A doação do Mosteiro de Alcobaça


A doação do couto de Alcobaça aos monges de Cister, se pode ser considerada um ato de fé - diz a lenda que resultou de uma promessa feita por D. Afonso Henriques - foi também um ato político.

D. Afonso Henriques tinha conquistado há pouco tempo as cidades de Santarém e de Lisboa (1147), tinha conseguido o reconhecimento da independência por parte do reino de Leão e de Castela (Tratado de Zamora, 1143) e procurava o reconhecimento do Papa.
A Ordem de Cister tinha, à época, um assinalável poder na cristandade e, por coincidência, o ducado da Borgonha, de onde eram naturais os antepassados paternos de D. Afonso Henriques, esteve ligado ao nascimento da Ordem.

S. Bento (iluminura)

A difusão cisterciense contou, em Portugal, com o apoio régio. D. Afonso Henriques concedeu várias cartas de couto a diversos mosteiros de Cister.
Portanto, com esta política, D. Afonso Henriques pretendia facilitar o seu reconhecimento como rei pelo Papa.

Mosteiro de Alcobaça - Sala dos Reis - Representação da coroação de D. Afonso Henriques
Papa Alexandre III (que reconheceu a independência de Portugal),
D. Afonso Henriques e S. Bernardo (grande impulsionador da Ordem de Cister)  

Do ponto de vista da política interna, D. Afonso Henriques precisava de defender as fronteiras e de desenvolver economicamente o reino.
A Ordem de Cister, por sua vez, só autorizava a fundação de novos mosteiros em zonas que obedecessem às seguintes condições: fossem isolados em relação a lugares habitados, tivessem boas terras de cultivo, suficientes recursos hídricos e matérias-primas nas proximidades (especialmente madeiras).

Monges cistercienses ceifando o campo sob a proteção da Virgem e de S. Bernardo
- pormenor (pintura - Escola Portuguesa, século XVIII)

À data da doação do couto de Alcobaça, a Ordem de Cister era, pela sua organização, a única preparada e com capacidade para desenvolver uma política de fomento e arroteamento (preparação de terrenos para a prática da agricultura) em terras despovoadas.
Pela carta de doação, relembremos, o Mosteiro de Alcobaça ficou obrigado a repovoar, cultivar e valorizar economicamente os seus terrenos.
Juntavam-se os interesses do rei e os da Ordem de Cister.

«O séc. XIV é a época mais fecunda da história do Mosteiro. Criam-se granjas em terrenos que se tornaram quintas ricas e modelares e onde os monges, leigos e noviços, desenvolvem toda a sua atividade. A granja era uma escola de todas as atividades agrícolas e das indústrias anexas. Os monges eram dos poucos senhores conhecedores dos segredos agrícolas do seu tempo e foram chamados a resolver graves problemas da economia rural, cabendo-lhes com justiça a bela designação de "Monges Agrónomos" que o Professor Joaquim Vieira Natividade lhes deu.»
M.ª Augusta Trindade Ferreira, Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça (roteiro)



Sem comentários:

Enviar um comentário