H

H

23 de março de 2010

Trabalhos de grupo - 6.º 8

Hoje à tarde, a Cátia, a Micaela e a Miriam, que pertencem a dois grupos diferentes do 6.º 8, apareceram no Centro de Recursos para trabalhar.
O acesso à net, para variar, não funcionou - é o choque tecnológico!
Procurámos uma sala onde pudessem trabalhar e, por entre muita conversa (de todos nós), as raparigas avançaram com o que tinham de fazer.

Mas, agora pergunto eu: e o resto do grupo da Cátia? E o João A. e o Sérgio, do grupo da Micaela e da Miriam? Ainda não os vi fazer nada!!! E vê-se (ouve-se) quando falamos do tema do trabalho.

Prof.

Grupos de Trabalho do 6.º 6

Após o 5 de Outubro de 1910, os republicanos, unidos no combate à monarquia, viriam a dividir-se.

O Grupo de Trabalho da turma 6.º 6 que ia tratar o tema do 5 de Outubro dividiu-se.
O Alexandre e o Diogo decidiram a separação em relação ao Rúben P. mas vão continuar a trabalhar sobre o 5 de Outubro.
O Rúben P. vai continuar a trabalhar sobre o 5 de Outubro.
O João E. tem estado ausente e falta saber onde vai ficar.

Até ao final da semana, todos estes meninos deverão apresentar o seu plano de trabalho.

Aguardemos.

Prof.

As dificuldades de trabalhar em grupo

1.ª fase:
Trabalhar em grupo é bué de fixe!
O pessoal junta-se, curte um bocado, brinca, conversa...
Trabalhar é que raramente acontece!

2.ª fase:
Vai-se pedindo o trabalho (mesmo que devagarinho) e... aqui é que "a porca torce o rabo"! Conhecem a expressão?
É que o trabalho não aparece ou aparece feito por 1 ou 2 dos elementos dos grupos. Os outros tiveram coisas mais importantes para fazer, não puderam...

3.ª fase:
Os grupos dividem-se.
Os que se sentem afectados pelo facto de nem todos trabalharem pedem para trabalhar sozinhos ou em grupos mais pequenos.

É a vida!
E os jovens vão aprendendo a vida.

Prof.

22 de março de 2010

A Festa da Árvore e o Seixal

«As primeiras Festas da Árvore iniciaram-se em Portugal na fase muito final da Monarquia por iniciativa de organizações republicanas.
A 26 de Maio de 1907 realizou-se no Seixal a 1.ª Festa da Árvore, promovida pela Liga Nacional de Instrução, criada para promover a instrução nacional e principalmente o ensino primário popular. Destacam-se na sua organização duas figuras ilustres da Maçonaria – António Augusto Louro que presidiu à Comissão que promoveu a Festa da Árvore e Manuel Borges Grainha da Liga Nacional de Instrução. A Festa foi um enorme sucesso ao qual aderiram alunos, professores e população do Seixal mas também destacados cidadãos e populações das proximidades.

(…) Estava assim iniciado um movimento cultural e cívico de celebração dos benefícios da Árvore e da Floresta, constando essencialmente da plantação de árvores, de um ambiente festivo e de discursos de propaganda a favor da árvore.»
José Neiva Vieira, in O Culto da Árvore e a 1.ª República 

A imagem é copiada de História do Concelho do Seixal, de Eugénio Silva - obra em banda desenhada.
Muitos de vocês devem ter este livro em casa.

Prof.

Dia da Árvore - Festa da Árvore

Ontem, dia 21 de Março, comemorou-se o Dia da Árvore.
Os republicanos foram, ainda nos anos da monarquia, os grandes impulsionadores da Festa da Àrvore.

Vejamos o que escreveu quem sabe muito destes assuntos, o Eng. José Neiva Vieira:
«A implantação da República a 5 de Outubro de 1910 trouxe à sociedade portuguesa um conjunto de novos valores e símbolos. Entre estes destaca-se o culto da árvore que se associa a outros valores centrais do republicanismo como a fraternidade, a educação e o culto da pátria.»
Uma das manifestações cívico-pedagógicas mais significativas foram as chamadas Festas da Árvore.

Na próxima mensagem continuamos com o texto daquele engenheiro, para vermos a relação da Festa da Árvore com o Seixal.

Prof.

Política de acalmação

Depois do regicídio, subiu ao trono D. Manuel II.
Como o ambiente social e político andava exaltado, o jovem monarca teve uma preocupação inicial: acalmar as tensões políticas e sociais.
Essa política do novo monarca e do novo governo foi chamada de "política de acalmação".

Com a realização das fichas de avaliação no final do período, os nossos trabalhos sobre a República também tiveram o seu período de acalmação.
Vamos voltar a pôr mãos à obra - as férias da Páscoa são um bom período para fazer leituras... com calma!

Prof.

16 de março de 2010

Como estão os meninos? Mimados, irresponsáveis e preguiçosos!

Pertíssimo das últimas fichas de avaliação do período, as aulas de ontem e de hoje do 6.º 6 e do 6.º 8 deram para ver duas turmas a aparvalhar:
- O comportamento de boa parte da turma do 6.º 8 foi para lamentar.
- Metade da turma do 6.º 6 não fez o trabalho de casa.

Concluindo:
Meninos mimados, irresponsáveis e preguiçosos!
Repito:
MENINOS MIMADOS, IRRESPONSÁVEIS E PREGUIÇOSOS!

Lamento!

Para que fique registado.
O Prof. de História e Geografia de Portugal das duas turmas
Carlos Carrasco

11 de março de 2010

A mulher mais velha do mundo - e se lhe fizéssemos uma entrevista?

Hoje li uma notícia que me chamou a atenção:

Mulher mais velha do mundo tem 130 anos
A televisão da Geórgia mostrou uma mulher com 130 anos. De acordo com os registos locais, esta mulher que vive no Cáucaso nasceu em 1880.

Já repararam que nasceu 10 anos antes do Ultimato inglês?
E era a favor dos republicanos, no 31 de janeiro?
Que sentimentos teve no dia do regicídio? (Já tinha 28 anos!)
 
Eu sei que ela vive na Geórgia e, provavelmente, nunca soube onde fica Portugal, mas dá para ficar a pensar: o que é ter 130 anos de idade? É ter mais 30 anos do que a República em Portugal.  
É muito ano!!!

Prof.

31 de Janeiro de 1891 - Vídeo

Em maré de vídeos, atenção Kéuryy: vem aí o 31 de Janeiro de 1891.


Prof.

10 de março de 2010

Regicídio - Vídeo

Um bom vídeo sobre o Regicídio, que encontrei no Youtube.
O ritmo é rápido, mas as informações mais importantes são correctamente dadas (atenção, que o D. Manuel não vinha com os pais e o irmão, de Vila Viçosa; estava à espera deles, no cais, em Lisboa).



Prof.

Os automóveis antes da República

O primeiro carro que houve em Portugal foi um Panhard et Levassor, importado, em 1895, pelo Conde de Avilez.

O carro chegou a Lisboa e seguiu para Sul, para Santiago do Cacém, onde o conde tinha um palácio. Nessa viagem – a primeira em estradas portuguesas – verificou-se o primeiro acidente: um burro foi atropelado.

O burro morreu!

No início do século XX já havia 150 automóveis registados em Portugal.

D. Afonso, o irmão mais novo de D. Carlos, era um apaixonado por automóveis e era conhecido pela alcunha de “O Arreda”, pois corria pelas ruas da cidade aos gritos «Arreda, arreda!», para que lhe saíssem da frente.

Em 1902, D. Afonso organizou a primeira corrida de automóveis, no hipódromo de Belém.


D. Afonso está de chapéu, no carro da frente, junto à margem esquerda, ao volante, ao lado de um homem fardado.
Prof.

9 de março de 2010

Trabalhos de Grupo - 6.º 6 - Actualização

Devagarinho, muito devagarinho... eles vão-se mexendo!
Grupo do Chris, Jocelino, Ruben Melo e Vander e grupo da Adália, Francielly, Luena, Patrícia e Sofia entregaram o que foi re-re-re-pedido.
Os Paulos (João e José) estão...

Prof.

Experimentando um vídeo

Enfim...
Não será o melhor, mas este vídeo tem algumas sequências de imagens muito interessantes dos acontecimentos de 5 de Outubro de 1910. E não há muitos.



Prof.

7 de março de 2010

Dia Internacional da Mulher

Dia 8 de Março é o Dia Internacional da Mulher.

A criação deste dia resultou de uma decisão tomada na Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, em 1910, após a realização, em 1908 e 1909, de muitas manifestações e greves por parte de operárias, nos Estados Unidos da América.

Portanto, o Dia Internacional da Mulher também comemora, este ano, o seu centenário.

Segundo a informação do site da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, «Em Portugal, a primeira comemoração de que existe notícia, remonta a 1953. Apesar da proibição da ditadura, algumas dezenas de mulheres reuniram-se em Lisboa, para comemorar o Dia Internacional da Mulher. A primeira comemoração do 8 de Março em liberdade foi realizada em 1975.»

Curioso que não se tenha comemorado este dia na 1.ª República, apesar do relevo dado à participação feminina na acção cívica e educativa e apesar da actividade de algumas ilustres mulheres (ver foto).


Prof.

6 de março de 2010

Nem só de República se faz a História

Olá, Chris

Lembraste-te da "raparega"! (lol)
O termo "rapariga" não é o mais adequado, Chris.
O nome é Eva Braun (por vezes também pode ser identificado por Eva Brown, mas o nome completo era Eva Anna Paula Braun).

Boa sorte!

Prof.

De fase em fase

Boa tarde, Sr. Rúben P.
Prazer em vê-lo por aqui.

Resposta afirmativa à sua questão. Não pudeste estar na última aula (EA, na 6.ª feira), mas como respondi à tua colega Vitória (vê a mensagem anterior), dia 12 foi a data marcada para os grupos me entregarem o índice (plano) do trabalho.
O teu grupo tem andado com azar quanto a problemas de saúde, mas... reúne com os teus amigos - Alexandre e Diogo, pelo menos (o João E. tem estado doente) - e façam o trabalho. Com aquilo que já devem ter lido, não é complicado.

Deixo-vos uma imagem do 5 de Outubro de 1910... para moralizar!
Até 3.ª feira.

Prof.

4 de março de 2010

Prazos de trabalho

Resposta à preocupação da Vitória: na aula de EA de 6.ª feira passada (turma do 6.º 6), eu disse 15 dias, no máximo, para entrega dos índices = 12 de Março.

Os grupos têm de encontrar um tempinho para reunir, discutir o que já leram sobre o tema do trabalho e ordenar/passar a escrito os assuntos em que pensam organizar o trabalho.

Qualquer dúvida... Perguntam!
São permitidas dúvidas, porque, naturalmente, elas podem existir.
Não é permitida preguiça!

Prof.

A propósito de greves

A 1.ª República foi um período social e politicamente agitado.
Há alguns grupos de trabalho que terão oportunidade de ver isso muito bem e, depois, de contar aos outros.

Em 26 de Março de 1920 (há 90 anos atrás), por exemplo, uma greve de trabalhadores dos correios e telégrafos levou ao cerco, pela Guarda Nacional Republicana, do local onde estavam concentrados - o Jardim Botânico de Lisboa.


Prof.

1 de março de 2010

Resposta à Francielly

Boa noite, Francielly

Eu estou a compreender a tua "angústia". Parece-me que está difícil o funcionamento do vosso grupo.
Em relação ao vosso trabalho, eu posso falar convosco na aula de amanhã.
Entretanto, procura compreender o seguinte: aquilo que pedi, simplesmente, foi que cada grupo consultasse os 2 livros que indiquei e registasse o número das páginas que interessam para estudar o tema escolhido.
Peguem no "Mataram o Rei!" e no "Diário da História de Portugal" (vol. 3) e vejam em que páginas é que se fala no regicídio. Não pedi mais nada ao teu grupo, até agora. Para a Fase I não é preciso mais nada!
Só depois de fazerem isso é que podem avançar.

Tu é que não acreditas que é só isto! NÃO QUERO MAIS NADA enquanto não fizerem o que indico em cima! Não chega a 30 minutos na Biblioteca da escola.

Não compliques.

Prof.


As fases dos trabalhos de grupo

Esclarecer o "mistério":

Tenho pensadas 6 fases no desenvolvimento dos trabalhos de grupo sobre a República, a saber:

I - Pesquisa bibliográfica orientada (a realizar no CRE).

II - Construção de um índice provisório do trabalho (listagem dos principais assuntos a abordar no trabalho), com base em leituras aconselhadas.

III - Pesquisa/recolha de mais informação, recorrendo à Internet e obedecendo às indicações que serão dadas muito em breve. A informação inclui imagens e esta recolha poderá decorrer simultaneamente a algumas das fases seguintes.

IV - Tratamento da informação escrita recolhida - leitura e aplicação da técnica do sublinhado.

V - Redacção do trabalho e sua apresentação em suporte papel.

VI - Apresentação oral do trabalho aos restantes elementos da turma (sendo possível recorrer a power point).

Para todas as fases haverá regras a cumprir. Essas regras serão apresentadas à turma, no início de cada uma das fases.
Farei o controlo (avaliação) dos trabalhos no final de cada fase.

Até ao momento, só divulguei o valor atribuído às duas primeiras fases. Numa próxima aula, darei conhecimento do valor a atribuir às restantes fases.

Dúvidas? Enviem comentários.

Prof.

Trabalhos de Grupo - 6.º 8 - Ponto da situação (2)

Estamos assim (se clicarem sobre o quadro, podem ver melhor):


Prof.

Trabalhos de Grupo - 6.º 6 - Ponto da situação (2)

E estamos assim (se clicarem sobre o quadro, verão melhor):


Prof.